Pedalensinando Pedalaprendendo

O garoto do centro dessa foto tem 17 anos, está no último ano do ensino médio, pensa em estudar arquitetura e pedala aos finais de semana com o seu pai. Já o amigo dele, mora bem perto da escola e vai de carro, quer ser engenheiro mecânico e não costuma andar de bicicleta. O que eles tem em comum além da idade e a escolaridade? Desde domingo a gente já tem um palpite: eles já sabem que conhecer São Paulo de bicicleta é muito especial.

No último domingo, ainda dentro da programação “paralela” da Virada Cultural, participamos de uma pedalada com os alunos do Colégio Bandeirantes. A proposta era mostrar para a garotada como São Paulo tem coisas interessantes por aí que muitas vezes são difíceis de vizualizar quando estamos dentro do carro ou mergulhados no caos urbano da cidade.

A primeira parada foi na Ghost Bike da Márcia Prado, em plena Av. Paulista. Lá alguns viram pela primeira vez a bike que lembra a nossa amiga atropelada/assassinada por um ônibus, em 2009, enquanto pedalava na avenida mais famosa da capital paulista. Outros já tinham visto a Ghost Bike por lá, mas soltaram um “ahhhh é isso que essa bike significa?”.

Na sequência, uma pausa na Praça do Ciclista, para eles conhecerem – e quem sabe participarem – dos movimentos que agregam os ciclistas da cidade como a Bicicletada, o Pedal Verde e as Pedalinas (só para as meninas!).

Pedaladas adiante, foi a vez de pararmos no Hub, uma encubadora de projetos de cunho socias, ambientais e outras coisinhas para mudar o mundo e deixá-lo de um jeitinho melhor. Uma boa dose de “vá em busca dos seus sonhos” para esses jovens que no próximo ano vão ocupar os bancos de algumas universidades espalhadas aos montes por aí.

No Hub, pausa para uma conversa

Do Hub para o lixo, ou o lixo que não é lixo. Levamos eles para a Coopamare, uma das primeiras cooperativas de reciclagem da cidade, fundada pelos moradores de rua da capital. A Cooperativa, que fica em Pinheiros, recebe uma montanha de lixo todos os dias. Lá encontramos – e listamos mentalmente – coisas absurdas de ver que vão parar no lixo, como geladeira, microondas e livros (muitos livros). O mais impressionante foi pensar que apesar de toda aquela montanha de lixo sendo separado representa um tantico de nada de todo o lixo que a população paulistana produz (e que vai para os aterros em vez de ser reaproveitado na reciclagem).

Depois da Cooperativa, foi a hora de se enfiar pelos becos grafitados da Vila Madalena. Ainda pudemos fazer parte de um ensaio fotográfico de moda que estava rolando no beco, com direito à fotógrafa gritando “podem ir, podem ir, vocês vão fazer parte da foto”. Momento de celebridade a parte, a garotada adorou conhecer os grafites e as intervenções urbanas que afloram pelos lados da Vila Madalena.

Na Vila Madalena, de bike pelo beco

Nesse momento, já se passavam quase três horas circulando pela cidade no pedal e a fome já começava a dar os seus primeiros sinais. Bora para o Ekoa Café, um café na Vila Madalena com vários conceitos de sustentabilidade. Além de usar muitos produtos orgânicos, fazer o pão de queijo mais gostoso da cidade, e vender produtos artesanais de comunidades tradicionais de todo o país, o lugar é um verdadeiro laboratório de construção sustentável: usa na maior parte do dia luz natural – graças aos telhados transparentes, capta água da chuva para abastecer as caixas d’água dos banheiros, usa uma espécie de ar condicionado ecológico e, claro, é super amigo do ciclista, garantindo um lugarzinho para você estacionar a sua magrela. O dono do Ekoa, o Henrique, abriu o café especialmente para receber o pessoal do Bandeirantes.

E como a conversa no Ekoa foi longa, o dia foi embora. Anoiteceu e ficamos preocupados em chegar tarde na escola com os estudantes. Perguntamos se eles sabiam que era possível levar as bikes no metrô, e a resposta foi com outra pergunta surpresa: “Pode?”. Eles não sabiam! Então, sugerimos que voltássemos de metrô, para não atrasarmos. Eles balançaram a cabeça de um jeito tímido concordando com a ideia, mas por dentro deviam estar pensando “cambada de velhos que em vez de assumirem que estão cansados, ficam dando a desculpa do horário para não ter que pedalar”.

Ainda bem que um deles foi mais corajoso, virou para nós e falou “a gente quer voltar pedalando, alguém nos acompanha?”. Balde de água fria. Quem mandou subestimarmos esses jovens? Então, bora pedalar! Alguns ligaram para os pais, avisando o atraso e até fizemos um serviço de “fretado”, devolvendo a molecada aos pais pelo caminho.

Aos que foram ficando, no monumento dos Bandeirantes, mais um momento inusitado: um casal recém casado fazia fotografias para o seu álbum. Passamos desejando felicidades e, em troca, o noivo pediu para fotografar com uma bike. Emprestamos, duas, uma para cada um. Os noivos ganharam a oportunidade de fazer fotos lindas montados nas bicicletas e nós a chance de sair num álbum de casamento, pois no final eles pediram para fotografar com todos nós. Divertidíssimo.

Da pedalada de domingo direto para o álbum de casamento!

De lá em diante, a primeira – e única – grande subida do pedal para chegarmos de volta no colégio. Outros pais já esperavam os seus filhos ansiosos para saber como foi o domingão de pedal. Um dos meninos tinha combinado de ligar para o pai ir buscá-lo. Ele mora um pouco longe da escola, lá na Saúde, mas ao chegar no Bandeirantes resolveu não ligar: “quero voltar pedalando”. Um dos pais do colega dele insistiu em dar carona, “cabem três bikes no carro”. Mas ele estava decidido, “estou cansado, mas quero chegar em casa pedalando”. Só ficamos tranquilos com a decisão dele porque o Luís, um dos ciclistas que foi para dar apoio como monitor, mora no Jabaquara e iria acompanhá-lo. Imagina a surpresa dos pais dele ao vê-lo chegando de bike em casa!

E o que levamos de bom para casa foi a esperança de que a sementinha foi plantada nesses jovens. A tarde pedalando pela cidade foi um laboratório vivo de observação da cidade. Legal foi ouvir o garoto da foto lá do comecinho do post dizer “já falei para os meus pais que quando eu entrar na faculdade não quero carro, as pessoas são muito nervosas no trânsito de São Paulo. Não gosto disso”. Dá para ter esperança!

Depois de 20 km pedalados, será que essa galera tá feliz?!

Mais fotos da pedalada do Colégio Bandeirantes estão AQUI.

Anúncios

8 Responses to Pedalensinando Pedalaprendendo

  1. Márcio Campos disse:

    Evelyn, tô feliz de te conhecer, menina, você entende o que quero dizer ? É isso mesmo, me sinto importante por ser teu amigo.

    Especialmente com os meninos do Colégio Bandeirantes, um circuito desses pela cidade tem valor inestimável. Porque é uma escola frequentada pela classe alta e média alta da cidade, jovens muito “protegidos” da realidade, mas que podem vir a ser adultos admiráveis(não só pela boa formação e capacidade notórios ali) mas também pela ausência de preconceitos.

    Certamente esses que foram nessa “virada do Bandeirantes” já têm agora uma semente na mente, já temem menos a cidade, podem ser atraídos para sair da bolha de conforto em que vivem e desvendar a cidade.

    Vocês foram brilhantes em garimpar isso, desejo sucesso ainda mais pra vocês, menina que admiro.

    Um beijo cheio de carinho e um abraço de quem se sente envaidecido de seu feito aí…

    Márcio

  2. Willian Cruz disse:

    Fantástico, sensacional, maravilhoso. Me emocionei ao ver a foto da noiva com a bicicleta, não preciso nem dizer por que, né? E me emocionei também ao ler o último parágrafo. Nossa geração já está comprometida, mas as próximas prometem. Vamos continuar preparando a cidade para eles.

    Parabéns a todos que ajudaram a fazer isso acontecer.

  3. […] This post was mentioned on Twitter by Vá de Bike! and Blog T.A.S.Cidade, Eva Vider. Eva Vider said: RT @wcruz: Relato ótimo da experiência com os alunos do Colégio Bandeirantes, que viram a cidade de bicicleta: http://j.mp/9DEs7F #vadebike […]

  4. Camila Oliveira disse:

    Iniciativa maravilhosa! Me emocionei lendo e vendo tudo, tenho certeza que estes estudantes jamais se esquecerão dessa outra visão que tiveram da cidade e que pode até significar uma nova visão da vida daqui pra frente.
    Parabéns a todos os envolvidos!

  5. Valdson disse:

    Nossa, que legal! Também me emocionei enquanto lia esse relato. Como é bom sentir que dá para ter esperança!Parabéns a todos: organizadores, alunos e pais! :-))

  6. […] O ciclista Willian Cruz, do “Vá de Bike“, publicou em seu twitter (@wcruz) o link para o relato de alunos do Colégio Bandeirantes que fizeram um passeio de bicicleta por São Paulo. – Leia o relato no Feliz Cidade Feliz… […]

  7. Ludmilla disse:

    Evelina, você e o João são demais! Orgulho que não cabe…
    Gostei de ler os detalhes de tudo o que aconteceu depois de tanta expectativa!

  8. uchoaaa disse:

    Putz, que bacana, cara! Parabéns para todos, vcs e essa garotada!
    Dei aula para pessoal desse idade e sem bem como eles são, agitados e sedentos por novidades. É bom plantar sementes bacanas neles. Parabéns mais uma vez!

    Abraços

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: